voltar
21-01-2016
A Engenharia e a Sociedade

 

A evolução da sociedade ao longo do tempo é pautada na necessidade do homem de satisfazer suas necessidades individuais e coletivas, aumentar a produtividade em seus processos sempre foi o motor impulsor para o desenvolvimento do ser humano e suas sociedades. A vontade de evoluir e a utilização do engenho e arte permitiram consolidar conhecimentos e desenvolver tecnologias baseadas na ciência.

Embora seja um processo contínuo, a evolução da humanidade teve grandes saltos em determinados momentos da história: todos eles formando uma ponte entre o conhecimento teórico e a prática, que se deu por meio do desenvolvimento da engenharia. As ferramentas encontradas na Tanzânia, fabricadas de forma extremamente rudimentar por uma população pré-humana, há cerca de 1.750.000 anos são um bom exemplo de que esse fenômeno evolutivo iniciou-se há muitos séculos.

É possível afirmar que a engenharia nasceu e se desenvolveu de forma simultânea ao início da civilização humana. A espécie tornou-se extremamente preocupada com o desenvolvimento de técnicas que facilitassem trabalhos realizados no cotidiano: como, primeiramente, o domínio do fogo, sucedido pela utilização da alavanca e da roda. Ou seja, a engenharia surgiu a partir do momento em que iniciaram-se as primeiras transformações tecnológicas, promovidas com a finalidade de facilitar a vida das pessoas.

Engenheiros são solucionadores de problemas. As funções do engenheiro consistem em aplicações de leis fundamentais das ciências em soluções de dificuldades corriqueiras. Isto é, essa classe é a responsável pela manutenção de muitas características indispensáveis para o bom funcionamento sociedade atual: como o transporte, a energia, a segurança e a moradia. Ou seja, o engenheiro é um profissional cujo menor erro pode acarretar uma série de problemas. Essas responsabilidades refletem, inclusive, na economia: as áreas de abrangência da engenharia são responsáveis por exemplo, por aproximadamente um sexto da geração de empregos nos Estados Unidos (BLOTTER, 1991).

“Antes que alcançasse o desenvolvimento que tem hoje, foi preciso que a engenharia civil percorresse um longo trajeto de seis mil anos desde que o homem deixou as cavernas e começou a pensar numa moradia mais segura e confortável. Já os templos, os palácios e os canais, que foram marca registrada na Antiguidade, começaram a fazer parte da paisagem cerca de dois mil anos depois do aparecimento das primeiras habitações familiares” (RIELI, 2012).

 

A engenharia civil na pré-história era inicialmente ligada à necessidade de abrigo e proteção contra animais ferozes e fenômenos da natureza. Mas conforme as comunidades evoluíam e ampliavam seus conhecimentos, a engenharia civil passou a ter importância na segurança contra inimigos humanos. Nessa época, iniciou-se o surgimento das primeiras cidades: cercadas por muralhas altas, como proteção contra o poderio bélico de ameaças externas.

No período da edificação das primeiras pirâmides faraônicas, iniciaram-se as preocupações com a estética e grandiosidade das construções. Imhotep (aproximadamente 2650-2600 a.C.) súdito do faraó Djoser, é conhecido como o primeiro engenheiro civil e arquiteto da história. Foi o responsável pelo projeto e construção da Pirâmide de Djoser, também chamada Pirâmide de Saqqara. Depois de Imhotep, muitos foram os engenheiros civis da antiguidade. O Farol de Alexandria, as Pirâmides do Egito, os Jardins Suspensos da Babilônia, a Acrópole de Atenas, o Parténon, os antigos aquedutos romanos, a Via Ápia, o Coliseu de Roma, a Grande Muralha da China, entre muitas outras obras, são prova da desenvoltura dos engenheiros da antiguidade na criação e execução de obras (WIKIPÉDIA, 2012).

No Brasil a engenharia civil se desenvolveu gradativamente, alcançando grande popularidade. Durante o governo Vargas, o Brasil era considerado um dos especialistas na tecnologia do concreto armado. Na época da ditadura militar, entretanto, houve uma considerável retração no setor da construção. Os preços das pequenas moradias tornaram-se muito altos, levando a um aumento forçado na construção de prédios (ENCONTRO DE HISTÓRIA, 2012).

Na década de 1990, as construtoras brasileiras passaram a dar mais atenção à qualidade final da obra e qualificação profissional dos funcionários. Essa preocupação refletiu diretamente na melhoria das edificações. Ainda nesse período, as políticas públicas de preservação do meio ambiente exerceram grande importância sobre a engenharia civil. O termo “construção ecologicamente correta” passou a ter destaque na sociedade. A necessidade de redução dos impactos à natureza exerceu grande autoridade sobre a atuação do engenheiro. Essas medidas ainda desempenham influência atualmente, enquanto o bom momento da economia nacional acarreta um desenvolvimento animador em alguns setores empregatícios. Um deles é a engenharia civil, que desde 1980, não atingia tamanhos índices de crescimento (PORTAL SÃO FRANCISCO, 2012).

A engenharia está presente em todas as ramificações da sociedade atual, sendo parte essencial do cotidiano das pessoas, contribuindo para o bom funcionamento da vida em comunidade. De forma explícita ou implícita, pode ser encontrada em todo lugar: desde a construção civil até a industrialização dos alimentos que chegam ao consumidor. Mas houve um longo percurso a ser percorrido desde que a engenharia surgiu, quando o homem começou a utilizar os recursos naturais como forma de facilitar suas atividades cotidianas.

A engenharia civil é uma das mais antigas engenharias: tendo surgido quando a espécie humana começou a construir a própria moradia, em detrimento da vida nômade. Desde então, nunca parou de ser aperfeiçoada, sendo transformada de acordo com as possibilidades que as novas tecnologias proporcionam. Os grandes edifícios e obras como pontes, viadutos e estradas, são prova da enorme evolução no ramo da construção.

Portanto, conclui-se que a engenharia civil e as engenharias em geral, possuem uma ligação direta com a história evolutiva da humanidade. Assim sendo, conforme o pensamento se desenvolve, elas também são desenvolvidas e aprimoradas em concordância com as necessidades de cada época.